Páginas

domingo, 19 de fevereiro de 2017

O mar


O mar sempre foi marcante na minha vida, morando na serra o contato com o litoral acontecia apenas uma vez ao ano não mais que uma dezena de dias.

 E esse encontro era cheio de rituais envolvendo a preparação das férias, o verão, a leveza. Na passagem do ano o mar ajudava com suas ondas, pular sete ondas  potencializava nossos pedidos! E para ter a proteção,  o respeito e reverência à mamãe das águas!
 
O mar nos atrai, nossa origem vem da água, seu movimento é a pura mudança, a força da natureza que não tem controle. O vento transforma a superfície plana das águas em ondas.

O sol e a lua também participam da ondulação das águas, com a força gravitacional, gerando as marés.  
 
O mar é o nosso coração, as nossas paixões, representa a própria vida, em movimento, mas também a morte e o renascimento.

Para os gregos o deus das águas é Poseidon, para os romanos é Netuno, deuses vingativos, cruéis nas tempestades, controladores dos ventos que podem chegar a mais de 100 km por hora provocando furações, maremotos e tsunamis!

 Para nós brasileiros a senhora reinante das ondas é Iemanjá!














Ondas na linha do litoral


Fotos: Praia Arroio Silva - SC 

Hibiscus


 


Uma das flores, símbolo do calor tropical, muito usada em estamparia é a flor do hibisco. Lembro dos anos 80, quando a tendência da moda para os jovens vinha do surf e do skate, das camisas masculinas com enormes flores de hibisco, que nos remetia ao Havaí ou praias ensolaradas! Ainda hoje essa estampa faz sucesso. Mas afinal que flor é essa?

O hibisco que produz as flores maravilhosas que conhecemos é nativo da Àsia tropical, mas proliferou pela Europa, Ásia e a América.

Hibiscus é uma palavra grega que significa Ísis, a deusa egípcia. Essa deusa era a representação da mãe e esposa ideal, protetora dos mortos e das crianças!

Essa planta é da família das Malvaceae, com uma infinidade de espécies. Ela se adapta bem a climas quentes e úmidos, não tolera geadas, por isso é associada ao mundo tropical!

Possui folhas e flores exuberantes. A flor em forma de cálice tem diversas cores e tonalidades. Um único arbusto produz muitas flores, que duram pouco, mas se renovam continuamente. No final do inverno a planta deve ser podada para brotar na primavera, são esses ramos novos que produzirão as flores do ano.



A espécie hibiscus sabdariffa é medicinal, o chá das flores é usado nas dietas de emagrecimento. A espécie contem antioxidantes que nos protegem contra os radicias livres. O chá da flor possui polissacarídeos, glicose e frutose, é rico em cálcio, magnésio, ferro, vitaminas A e C, além de outros elementos favoráveis a saúde.



As espécies ornamentais, mais usadas em jardins são o hibiscus rosa-sinensis e o hibiscus syriacus

A partir da hibridação do hibiscus rosa-sinensis com outras espécies, surgiram a grande variedade que conhecemos atualmente. 


 


 


Fotos tiradas em Ibiúna - SP

 Para saber mais:
http://www.infobibos.com/Artigos/2008_4/hibisco/index.htm

domingo, 11 de dezembro de 2016

Estrada do Imigrante - Casas Bonnet

Em Caxias do Sul há muitos pontos turísticos, mas para quem quer conhecer a região do RS, onde chegaram os primeiros imigrantes, com suas casas feitas de pedra, a sugestão é almoço típico com passeio nas Casas Bonnet, na Estrada do Imigrante.

Henry Bonnet, francês, chegou a essa região em 1875, época do início da imigração italiana. Ele construiu uma pequena casa de pedra e barro em 1877, que serviu de armazém de secos e molhados para os imigrantes que chegavam. Dois anos mais tarde ele construiu outra casa maior, onde é o atual restaurante Bonnet. Essas duas casas foram hospedarias para os imigrantes. Há mais de 60 anos o patrimônio pertence a família Tonietto, que a partir do ano 2000, vem resgatando a história e cultura dos antepassados com turismo rural através do restaurante típico, apresentação artística com música dos componentes da família, visita à casa museu e passeio de carretão por caminhos entre vinhedos, matas, vales e paisagens da serra gaúcha.

A antiga casa hospedaria transformada em restaurante


Após o almoço, apresentação de músicas italianas pelo casal de nonos, filhos e netos 

 Observem a grossura da parede pelo parapeito da janela. 

As primeiras construções eram de pedra. Enfileiravam as pedras fazendo a parede dupla e no vão formado por elas, preenchiam com barro e pedregulhos, deixando as paredes grossas. As aberturas era reforçadas com troncos grossos de madeira.



 Dois carretões prontos para o passeio





 Vista das videiras e do vale









 Depois do passeio conhecemos o museu da primeira casa de pedra,  nas proximidades do restaurante




 A casa construída por Bonnet em 1877

 Fotos do interior da casa, com instrumentos e maquinaria usada pelos imigrantes







 Capela São Luiz
Escola João Spadari Adami

Agradeço à Escola Ângelo Guerra, que possibilitou esse passeio aos professores.