Páginas

quarta-feira, 4 de julho de 2018

UCS AQUARIUM


O aquário da Universidade de Caxias do Sul foi inaugurado em 2011, passou por reformas e reabriu em setembro de 2017.
Ele está situado no campus da UCS, na parte térrea do Museu de Ciências Naturais. São 14 aquários, 13 de água doce, um deles específico para de peixes dos rios do Rio Grande do Sul, e um aquário marinho. São 101 espécies entre peixes, equinodermos, crustáceos e plantas aquáticas. Muitos peixes são exóticos, mas há também peixes de nossos rios e mares.

Abaixo o desenho de alguns peixes que fiz para trabalhar com o 2º ano do ensino fundamental, que visitou o Museu e o Aquário. Os estudantes receberam o desenho da silhueta de um peixe escolhido, com informações sobre o peixe, nome científico, comprimento, origem e o pintaram conforme o material levado em sala de aula. Depois fizeram seu desenho  de observação livre e riscaram com régua a medida do peixe.

As crianças queriam muito ver o "Nemo", peixe-palhaço,  personagem da animação "Procurando Nemo", ficaram surpresas com o tamanho do mesmo.
No aquário marinho podemos ver o Peixe-palhaço (Amphiprion ocellaris). No aquário não tinha a Dory , Blue Tang (Paracanthurus hepatus), mas uma semelhante, a Donzela Abudefduf cyaneus, originária do Oceano Índico e Pacífico. Abaixo os desenhos scaneados que trabalhamos em sala de aula:


Peixe-palhaço 
Peixe-palhaço (Amphiprion ocellaris)
Comprimento: 6 a 15 cm
Espécie marinha que ficou famosa pela animação "Procurando Nemo". Peixe de corais e recifes vive entre as anêmonas,  mas é imune ao seu veneno urticante. 
Alimentam-se de crustáceos pequenos, algas e plâncton.
Origem: Recifes de coral do Oceano Pacífico



Yellow Tang
 
Yellow Tang (Zebrasoma flavescens) 
Tamanho: até 20 cm
Yellow Tang ou cirurgião-amarelo alimenta-se de algas. Ele tem um ferrão na cauda para defesa.
Origem: Havaí

Paulistinha Red 
Paulistinha Red (Danio rerio)
Tamanho: até 6 cm
Peixe de cardume, nativos da Ásia. Na disputa por território, ou na época de reprodução, o macho eriça suas nadadeira.



Neon Cardinal
Neon Cardinal - (Paracheirodon axelrodi)
Tamanho: até 5 cm
 
Peixes de cardume, nativos da América do Sul, encontrados na bacia amazônica.

Fox-face 
 Fox-face (Siganus vulpinus)
Comprimento: até 25 cm.

Peixe marinho, encontrado em recifes e corais, conhecido como Rabbit fish fox face. Esse peixe amarelo brilhante, muda suas cores quando está estressado, e também como camuflagem aos predadores, (mimetização), ele consegue ficar parecendo uma rocha, com cores em tons de marrom. Seu corpo é amarelo com face branca com uma máscara e garganta negros.
Origem: Oceano Pacífico ocidental, Austrália Ocidental, Filipinas


Peixe plati
Peixe plati (Xiphophorus maculatus)
Comprimento: macho 4 cm, fêmea maior, até 6 cm. 
Peixe pequeno com corpo achatado, peixe calmo e tranquilo. Encontrados em  rios e riachos, lagos e lagoas da na América Central.
Origem: América do Norte e América Central

Tetra-limão
 
Tetra-limão (Hyphessobrycon pulchripinnis)
Tamanho: 4 cm   
Lemon tetra, peixe de cardume. O macho é menor, a fêmea possui coloração mais discreta. Peixe territorialista.
Origem: encontrado na América do Sul, bacia do Rio Tapajós

 Acará-bandeira-preto
 Acará-bandeira-preto (Pomacanthus paru)
comprimento: até 40 cm.
Chamado Anjo-Paru. Peixe marinho territorialista, vivem próximos de recifes e corais. Alimentam-se de esponjas, algas e corais. Quando jovens são todos do sexo feminino, somente quando adultos vão produzir a área masculina de suas glândulas sexuais.
Origem:  Atlântico / EUA, Golfo do México, Brasil

Mato-grosso

 Mato-grosso  Hyphessobrycon eques
Comprimento:  3 a 4 cm
Peixe de cardume, água doce, gosta de  águas calmas, com  vegetação emergente, onde gostam de se esconder. Peixe avermelhado, possui uma nadadeira dorsal alta e escura com borda branca e as restantes são vermelhas, a nadadeira anal tem borda escura.
Origem: América do Sul, Bacia Amazônica, Bacia do Paraguai, Bacia do Paraná e Guaporé.

Peixe-tomate 
 Peixe-Tomato-Palhaço (Amphiprion frenatus)
Comprimento: até 15 cm
Peixe-tomate, fire clown ou tomato clown. Peixe marinho vermelho com grande contraste com a faixa branca na marca da cabeça. Peixe territorialista, vive nas anêmonas
Origem: na faixa que vai do Japão à Singapura e Filipinas

 Tetra-preto

 Tetra-preto  Gymnocorymbus ternetzi 
Tamanho: 6 cm 
Peixe pequeno, de corpo estreito, é peixe de cardume. Sua cor é prateada com duas barras escuras, marcas desta espécie, também é conhecido como viuvinha, devido a nadadeira ventral que parece uma saia preta. As fêmeas são maiores.
Origem:  encontrado no Brasil, Bolívia e Uruguai

 Tetra-rosa
Tetra-rosa (Gymnocorymbus ternetzi)
Comprimento: Até 6 cm 
Peixe de cardume, os machos são maiores do que a fêmea. Ao disputar a fêmea, os machos exibem suas nadadeiras e suas cores, existe também a variedade véu, com nadadeiras mais longas, parecendo um véu.
  Origem: América do Sul, bacias dos Rios Guaporé e Paraguai

Grama Loreto
 

Grama Loreto, ou Royal Gramma (Gramma loreto)
comprimento: 8 cm
Grama Loreto, ou Royal Gramma, são peixes de recifes. A parte anterior do corpo é roxa e a posterior laranja, com marca preta na nadadeira dorsal. Gosta de ficar em cavernas e tocas.  Tem uma boca grande com o interior branco.
 Atlântico tropical oeste, Brasil, Bermudas, oeste do Caribe e oeste da Índia

Peixe-anjo-imperador

 Peixe-anjo-imperador - (Pomacanthus imperator)
Comprimento: 40 cm

Esse belíssimo peixe de recifes e corais é territorialista. Tem uma característica muito curiosa, quando jovem é muito diferente do padrão de cores de adulto. Os juvenis são escuros com listras circulares azuis claras, parecendo duas espécies diferentes de peixes. Quando atinge 10 cm de comprimento assume a coloração de adulto.   O corpo do macho adulto é coberto de riscas amarelas e roxas, com mascara escura nos olhos, contornada com azul claro e face clara. Seu corpo é achatado, com boca pequena, dentes em forma de pente e espinho opercular em cada face. Alimenta-se de corais,esponjas, anêmonas e moluscos. Quando o líder morre, uma das 5 fêmeas de seu harém assume liderança mudando de sexo.
 Origem: Indo-Pacífico


Peixe-donzela


Peixe-donzela  (Damselfish yellowtail)
comprimento: 3 cm
Donzela ou demoiselle, peixe marinho de cauda amarela e corpo azulado, essa combinação de cores o destaca pela beleza de sua aparência.
Origem: oceano Pacífico central e ocidental, e o mar Vermelho


Peixe-soldado


Peixe-soldado (Holacanthus tricolor)
Comprimento:
Rock Beauty ou peixe-soldado. Peixe amarelo com riscas azuis contornando os olhos e uma grande mancha escura no corpo. Alimenta-se de pólipos de corais, esponjas, anêmonas, algas, crustáceos e vermes. 
Origem: Brasil à Florida

Peixe-borboleta-riscado


Peixe-borboleta-riscado (chaetodon lineolatus)
Comprimento: até 30 cm 
Peixe achatado,Branco, com riscas pontilhadas verticais no corpo, nadadeiras e pedúnculo caudal terminadas em amarelo vibrante.
Apresenta a faixa preta sobre os olhos e testa.
Boca pequena, com focinho comprido, a coloração  brilhante
Origem: Indo Pacífico tropical, Filipinas, Índia ate o Ceilão


Butterflyfish

Butterflyfish  (Chaetodon bennetti)
comprimento: 18 cm
Peixe marinho, corpo achatado, possui ocelo escuro perto da nadadeira caudal e uma linha vertical escura no olho, boca pequena, focinho comprido, alimenta-se de corais.
Origem: África, Índia,  Japão, Ilhas do Pacífico e Taiti


Peixe-borbolet-face-azul
Peixe-borboleta-face-azul (masked butterflyfish)
Comprimento: até 20 cm
Espécie de peixe-borboleta, corpo amarelo com mancha azul na face, ocorrem aos pares ou pequenos grupos.
Origem: Mar Vermelho e  Golfo de Aden.


  Blue strip butterflyfish





 Blue strip butterflyfish( Chaetodon fremblii)
Peixe  achatado com boca pequena, focinho comprido, possuem espinhos  na barbatana dorsal para defesa. A coloração é amarelo  brilhante.
Possui  uma marca preta na nuca à frente da nadadeira dorsal e outra no corpo, atingindo o pedúnculo caudal que é branco. Possui varias faixas azuis longitudinais no corpo.
 Havaí


Peixe-mocinha
Peixe-mocinha  (characidium fasciatum)
Comprimento: 7 cm
Esse peixinho é muito pacífico, de corpo fino,  os machos são menores. Alimenta-se de invertebrados, como  caramujos pequenos, insetos e larvas de mosquitos.
Origem: América do Sul, São Francisco e alto da Bacia do Paraná

Guppy (Poecilia reticulata)



Comprimento: 3 cm (machos ) e 6 cm (fêmeas)
Guppy ou lebiste. Peixe de água doce, de grande beleza. As fêmeas são menores do que os machos. Suas cores são vivas e brilhantes. Sua cauda é grande. Alimenta-se de larvas de mosquito, sendo eficaz no combate à malária. As fêmeas  armazenam o esperma dos machos, podendo passar umas 3 vezes pela gestação, mesmo sem os machos. 
Origem: América Central e do Sul.


Blue-Tang


Blue-Tang - (Paracanthurus hepatus)
 Comprimento: 25 cm.
Essa espécie é conhecida pela personagem Dori da animação  "Procurando Nemo". Sua coloração é muito linda com cauda amarelo e corpo em tons de azul. 
Origem: Fiji, Indo-Pacífico, Ilhas Salomão e Havai.



                                            Sargento



Sargento (Abudefduf saxatilis)
Comprimento: de 15 cm a 23 cm
Corpo prateado com marcas escuras verticais pelo corpo. Alimentam-se de algas, crustáceos, larvas e pequenos peixes.
Indo Pacífico, Mar Vermelho, Costa atlântica

Yellow Teardrop butterflyfish (Chaetodon interruptus)
Yellow Teardrop butterflyfish (Chaetodon interruptus)
 Comprimento
Peixe achatado, corpo amarelado com  faixa vertical escura sobre o olho. Possui ocelo escuro na parte alta do corpo.  Alimenta-se de pólipos de corais, anêmonas, crustáceos.
Índico e Pacífico tropicais


----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Site com a imagem dos peixes do aquário da UCS:
http://www.photographia.com.br/aquarium.htm

sábado, 14 de abril de 2018

Sidarta - Herman Hesse

 Esse livro, após ter ido para o descarte, caiu em minhas mãos, por puro acaso. Edição de 1970, da Civilização brasileira,  verifiquei o autor: Herman Hesse, lembrei de já ter lido O Lobo da Estepe, perdido na memória da minha adolescência. Antes de iniciar a leitura procurei me informar como um escritor alemão entrou nas vias da cultura indiana, descobri que viveu na Índia em 1910, Sidarta foi escrito com a referência da vida de Buda.

Entrei na história de Sidarta, identificando-me com sua ânsia pelo sentido da vida. Sempre pensei da necessidade de uma vida casta e pura para ter o privilégio da iluminação, ou pelo menos de uma vida plena. Quando jovem vaguei pela busca de um sentido por várias religiões enfrentando muitos desafios, mas sempre busquei um sentido para o viver. Hoje penso, como conseguir uma vida plena com o peso dos erros do passado ou com tantos problemas no dia a dia? A idade madura é uma grande preciosidade frente a leviandade da juventude, nos faz enxergar o todo, nos traz a consciência de nossa missão maior.  Sidarta ensina que o mundo é assim mesmo, cheio de sofrimentos e miséria humana, mas não importa, faz parte da vida, está tudo certo! Quando chegarmos a essa conformação o caminho da iluminação está mais próximo! 
----------------------------------------------------------------
O Resumo:
Sidarta é apresentado como o filho do Brâmane, filho da tradicional casta sacerdotal. À ele era devotada toda a expectativa para seguir o futuro do pai, mas Sidarta, tem uma alma inconformada, no seu íntimo não aceita o papel que lhe dão. Sua ânsia pela verdade é tão grande que sai de casa, deixando a família para trás. Seu amigo Govinda, que muito o admira segue com ele juntando-se a um grupo de sábios mendigos andantes, os samanas, que viviam negando a vida e sua própria individualidade através do jejum, da mendicância e da meditação. Sidarta acreditava que assim poderia chegar a vida plena, no abandono total da vida de ilusão, a vida da matéria,  aniquilando o seu próprio eu.Sidarta acompanha por três anos os samanas, mas no fundo de sua alma ele  estava insatisfeito. Foi quando ouviu falar em Buda e na sua iluminação. Junto com Govinda, libertou-se dos samanas para encontrar-se com Buda.
Govinda encantou-se com a doutrina de Buda e vira seu discípulo, porém Sidarta não se convence e continua sua busca, acreditava que só na vivência poderia chegar à iluminação, pois a iluminação era uma experiência única. No seu encontro com Buda, este afirma que sua doutrina ensina a livrar-se do sofrimento, Sidarta lembra que  aprendeu com os samanas a livrar-se do eu para livrar-se do sofrimento. 
Sidarta reflete sobre sua vida, aprendeu muito com os mestres mas estes ensinamentos não aplacaram sua busca, seu desejo de conhecer sua essência para poder superá-la, mas o que fez foi iludir-se, fugindo de si mesmo. Ele se dá conta da importância de olhar para si mesmo, descobrindo o caminho dentro dele mesmo, sem negar a si, sente-se desperto, o mundo abriu-se com toda sua beleza e diversidade, rompendo a casca de desprezo que incutiram em sua mente. Para entender o sentido, a essência da vida, não se deve desprezar a vida, mas procurar conhecê-la profundamente, como o estudo de um livro ou a decifração de um manuscrito. 
Sidarta está aberto a descobrir e sentir o mundo, aprendera que os prazeres mundanos são para os tolos, mas quer experimentar. Conhece a cortesã Kamala e a elege como mestra da arte dos prazeres, mas ela o desafia a procurar a riqueza antes de ter com ela. Sidarta não tem nada, mas sabe ler e escrever, assim consegue emprego com o comerciante mais rico da cidade. Sidarta entra na vida dos tolos, consegue a riqueza e cativa a cortesã que o ensina a arte dos prazeres.Leva uma vida de rico, mas zomba desses valores, dos tolos, sabe que a vida de verdade era bem diferente,então começa a ter rancor pela vida, alimentando-se demais, jogando e bebendo. Aos 40 anos descobriu que era incapaz de amar e havia perdido o contato com sua voz interior. Odiou a vida tola que levava, seus hábitos, odiou seu corpo bem alimentado, sua pele, seu bafo de vinho, seus cabelos perfumados, sua própria pessoa. Então sonhou que viu o pássaro cativo de Kamala morto na gaiola, jogou-o na rua e foi como se ele próprio tivesse morrido. Atormentado com sua existência sem sentido, refletiu sob a mangueira de seu jardim. Como dar fim a isso tudo? Largando tudo, deixando tudo para trás. Andando pela floresta planeja afogar-se no rio. Mas ao ver o rio, Om, que tanto o alimentou no passado, ecoa de seu íntimo fazendo-o adormecer. Acorda e se sente renascido, numa outra encarnação, vê Govinda velando seu sono, sente que ainda o ama, Govinda zelou seu sono, sem saber que era seu amigo, mas ao reconhecê-lo continua sua jornada.
 No começo de sua caminhada pelo mundo Sidarta havia encontrado um barqueiro que o levou de graça ao outro lado do rio. Agora o encontra novamente. O barqueiro Vasudeva é um sábio e junto com ele torna-se discípulo do rio. Convivem juntos ouvindo o que o rio tem para contar. Mas a vida continua e Kamala reaparece em sua vida, vem atravessar o rio de balsa, na peregrinação à Buda, traz junto de si o filho de Sidarta. Mas seu fim estava ali próximo ao rio, é picada por uma cobra e antes de morrer entrega seu filho a Sidarta. 
Essa tragédia transforma a vida de Sidarta, seu filho passa a viver com ele na casa de Vasudeva. Sidarta ama profundamente seu filho, porém este o ignora e o repudia até conseguir fugir do pai e voltar para a cidade. Sidarta o persegue pois o quer de volta, Vasudeva o aconselha a deixar o filho e após muita meditação Sidarta desiste do filho, mas agora ele está diferente. O rio ensina a Sidarta que ele mesmo abandonou seu pai, trazendo conformação. Vasudeva sente que sua missão está terminada e parte para a selva.O livro termina com Govinda indo procurar um balseiro muito sábio, segundo  ouviu das pessoas e ele quer conhecê-lo.
Govinda chega até a balsa de Sidarta e não reconhece logo seu amigo, mas sentiu que realmente o balseiro tinha encontrado a paz, o que transparecia em seu rosto. Quando Govinda o reconhece percebe que o amigo de infância encontrou o que procurava, mas ele, Govinda, ainda era um buscador!

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Dia da Amazônia - 5 de setembro


Dia 05 de setembro é um dia muito especial, comemoramos o Dia da Amazônia, a maior floresta tropical do mundo. O dia refere-se a data da criação da província do Amazonas, por D. Pedro II em 5 de setembro de 1850.
Esta é uma data de alerta para esse importante bioma que está ameaçado e que influencia o clima do planeta.
Esse bioma, patrimônio da humanidade possui 6,9 milhões de quilômetros quadrados abrangendo nove países, entre os quais o Brasil: Peru, Venezuela, Colômbia, Equador, Bolívia, Suriname, Guiana e Guiana Francesa. No Brasil, cerca de 60% da Floresta Amazônica distribui-se entre nove estados: Amazonas, Pará, Mato Grosso, Acre, Rondônia, Roraima, Amapá, e parte de Tocantins e Maranhão.

Biodiversidade:
A fauna é riquíssima com cerca de 1.300 espécies de aves, 400 de mamíferos, e milhões de insetos, muitos dos quais ainda não identificados pelos cientistas. A flora envolve mais de 40 mil espécies!
Outra grande riqueza que se destaca é a hidrografia, pois é a maior bacia hidrográfica do planeta. 

Palafitas às margens do Rio Purus 



Vegetação típica a beira de igarapés em época de cheia






Pode parecer que o solo da floresta é muito rico, porém ao contrário, é um solo arenoso, a camada de nutrientes é alimentada pela própria floresta devido a decomposição de resíduos da flora e fauna, como folhas secas, animais mortos que formam um húmus, mas sem sua cobertura torna-se um solo árido.
A fauna desse ecossistema é muito específica, são animais de pequeno e médio porte que vivem no alto das árvores. Os animais típicos são os macacos, aves, cobras, marsupiais e também uma grande variedade de peixes nas suas águas. 
O futuro da Amazônia está ameaçado por diversas atividades predatórias que provocam o desmatamento como plantações de soja, pecuária, extração de madeira ilegal, mineração e construção de obras como hidrelétricas e ferrovias.
Apesar do alerta de cientistas e especialistas em clima e de muitas iniciativas de apoio à floresta, o desmatamento ainda é alarmante, ameaçando a biodiversidade da região e também mudanças climáticas em nível planetário.
 Um dos maiores financiadores de proteção da Amazônia é o governo da Noruega. Em 2008 o governo assinou um acordo com a Noruega em que este país enviaria US$ 1 bilhão para o Fundo da Amazônia para projetos de preservação até e 2015, sob a condição do envio ser liberado conforme a redução do desmatamento. Foram liberados recursos entre 2008 e 2014 favorecendo mais de 80 projetos.

 O acordo foi renovado para 2020 sem limites de valores, porém com a premissa da diminuição do desmatamento. A Noruega está pressionando também a demarcação das terras indígenas e o fim dos cortes de verbas para a FUNAI. O desmatamento tem aumentado desde 2015 e este país tem cobrado uma postura do governo brasileiro sob pena de reduzir os investimentos, o que favoreceu o veto pelo presidente Temer da medida provisória que reduzia a zona de proteção da Floresta Nacional do Jamanxim, no Pará para a construção de uma ferrovia.



quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Dia Internacional do Biodiesel

Dia Internacional do Biodiesel - 10 de Agosto


Biodiesel – Combustível Renovável
Você sabia que dia 10 de agosto comemora-se o Dia Internacional do Biodiesel?

Em Caxias do Sul há uma iniciativa muito importante de incentivo à coleta do óleo de cozinha usado para sua transformação em biodiesel. É o Projeto Alquimia do Óleo, da ONG S.A.A. Bio. A Ong fez uma parceria com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, SEMMA , com o intuito de apresentar o projeto para as escolas e eventos alertando a população sobre o correto descarte do óleo de cozinha usado.


O óleo de cozinha e outros óleos de origem vegetal, são matérias-primas para fabricação do biodiesel. Uma grande quantidade de óleo usado é jogado no ralo da pia e na natureza, danificando encanamentos, poluindo o meio ambiente, provocando alagamentos e causando a proliferação de ratos e baratas, que se alimentam desse lixo.
Silvio Souza é o criador do projeto, através de palestra de educação ambiental, Silvio alerta sobre a importância da coleta do óleo usado para ser transformado em biodiesel.

Essa reação química é realizada na sua miniusina montada num furgão.O óleo descartado é misturado com álcool e sofre uma reação química através de um catalisador, a partir dai o óleo é separado da glicerina. A glicerina é outro produto que surge da reação química, produto de interesse comercial, usado na fabricação de sabonetes.

O petróleo é um recurso não renovável, por isso a importância do biodiesel. O diesel fóssil lança toneladas de dióxido de carbono, de enxofre e hidrocarbonetos no ambiente. Muitas doenças respiratórias aumentam com a poluição do ar, como bronquite, renite e asma.
O uso do biodiesel diminuiria a poluição causada pela emissão de gases por veículos e industrias poluentes. A chuva ácida também é outra consequência das emissão de gases poluidores, provocando muitos danos em concreto, lataria de carros, monumentos, plantações etc.

O biodiesel tem uma importância fundamental na substituição do diesel fóssil, além de ser um recurso renovável que não polui, enquanto que o petróleo tem limites, não é renovável e polui. Porém o biodiesel não existe para vender, pois vivemos nas regras do monopólio do petróleo. Em 2005, foi criado no Brasil o Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel, autorizando em lei acréscimo gradual de porcentagem de biodiesel ao óleo diesel fóssil. Até 2019 essa porcentagem deve alcançar 10%, atualmente o acréscimo é de 7% .


O biodiesel comparado ao diesel fóssil reduz significativamente a emissão de poluentes e gases do efeito estufa. Ele pode ser elaborado com óleos vegetais ou de animais.
Há vários estudos que alertam para a importância do uso do biodiesel, tanto para a saúde pública, aumentando a qualidade do ar, favorecendo a redução da importação de diesel fóssil e também para desenvolver a agricultura, já que há necessidade de grãos para a produção de biodiesel.

Por incrível que pareça o diesel a base de óleo vegetal foi inventado há muito tempo, no século XIX!
Foi no dia 10 de agosto de 1893 que Rudolf Diesel, engenheiro alemão, utilizou pela primeira vez o motor a diesel, utilizando-se de óleo de amendoim.
Diesel explorou a reação química de explosão quando o óleo é injetado num recipiente com oxigênio. Foram necessários outras soluções para controlar essa reação a ponto de ser um combustível viável para fazer uma máquina andar! Houve necessidade de outros recursos como bomba injetora, engrenagens, pistões e óleo de amendoim! Em fevereiro de 1897 o invento foi patenteado para ser usado com óleo de origem vegetal. Essa engenhosa descoberta revolucionou o mundo substituindo o sistema mecânico a vapor usado através da queima de carvão.
Rudolf Diesel nasceu no dia 18 de março de 1858, e morreu no auge da fama, em circunstâncias não esclarecidas na travessia do canal da Mancha em 30 de setembro de 1913 com apenas 55 anos, há muitas especulações sobre sua morte, principalmente pelo seu invento ter prejudicado a industria do setor de queima de carvão.
Em sua homenagem foi dado o nome de diesel ao produto oleoso extraído na primeira fase do refino do petróleo, longe de seu projeto original que era o de usar óleos de origem vegetal.




quarta-feira, 24 de maio de 2017

Entraves à Ciência

O conservadorismo e a ignorância são grandes entraves à Ciência.

É notório que sempre houve e há corporações que procuram minar a Ciência, principalmente quando a pesquisa vai contra seus interesses. Pesquisadores que estudam o aquecimento global são os mais atacados. Atualmente o grande choque está na política do republicano Donald Trump, o presidente americano antiecologista, que alega que o discurso do aquecimento global é plano da China para diminuir a economia americana. Trump nomeou Scott Pruitt, inimigo dos ecologistas, como secretário da agência de proteção ambiental do país. Informações científicas não podem ser divulgadas sem autorização do governo. Represália envolvem diminuição do orçamento público à pesquisa científica. As medidas do secretário mostra o retrocesso americano em relação à proteção ambiental, abandonando a política de Obama de reduzir as emissões de poluentes na atmosfera, compromisso firmado no pacto de Paris ratificado por 195 nações. Com o governo Trump tem diminuído o apoio á comunidade científica e a negação de medidas públicas baseadas em dados científicos.

Os cientistas americanos, através das redes sociais organizaram a Marcha da Ciência no dia da Terra, dia 22 de abril de 2017. O protesto alastrou-se no mundo inteiro, inclusive o Brasil, levando os cientistas às ruas em defesa da valorização da ciência e de investimentos em pesquisas científicas.

No Brasil a situação também é constrangedora, a ciência sempre teve descrédito, porém no nosso cenário atual também há retrocesso, pois a pasta da Ciência , Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação foi extinguida, incorporada ao Ministério de Comunicações.

O homem foi sempre o grande predador, nossa atuação está colocando em risco a nossa existência no planeta, por isso o grande papel da Ciência para esclarecer e auxiliar na  criação de políticas que visem o bem comum e a continuação de nossa espécie.

Dica: Há muitos casos de corporações que tentam abafar a voz dos cientistas, enganando a população sobre os efeitos maléficos de seus produtos.
Um dos mais famosos foi o do chumbo usado em vários produtos nos EUA na década de 40, inclusive adicionado na gasolina (tretaetila), causando envenenamento na população. O episódio 7 da nova produção da série Cosmos (Neil Tyson) relata esse acontecimento.  A empresa General Motors contratou um toxicologista para enganar a população acerca desse chumbo, tentando abafar as pesquisas do cientista Clair Patterson que denunciava o poder de envenenamento do chumbo, adicionado a vários produtos consumidos na época nos EUA. Foram necessários 20 anos para que a ciência saísse vitoriosa,  esse caso é conhecido como uma das maiores vitórias de saúde pública nos EUA, infelizmente a custa de muitas vidas.

Revista Galileu abril 1917 p.7
http://ciencia.estadao.com.br/noticias/geral,cientistas-vao-as-ruas-contra-corte-em-investimentos,70001747602

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Aves de Rapina

Aves de Rapina

O nome rapina já diz tudo, rapinar, roubar com violência. As aves chamadas de aves de rapina se alimentam de carne de outros animais, caçados com suas garras fortes ou já mortos.

São as águias, da família Accipitridae, os falcões da família Falconidae, as corujas da família Strigidae e os urubus e condores da família Cathartidae.

Segundo o Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos (CBRO 2015) o Brasil possui o maior número de espécies de aves de rapina. São 99 espécies, 49 Accipitriformes, 21 Falconiformes, 23 Strigiformes e 6 Cathartiformes.

As aves de rapina são carnívoras e estão adaptadas à caça. Algumas como os urubus podem comer animais mortos e em decomposição, pois possuem sucos gástricos que neutralizam as bactérias e toxinas da carne em decomposição. Olhos e ouvidos apuradíssimos pois deles dependem para sua sobrevivência. 

Seus bicos, garras e órgãos são adaptados à caça e alimentação carnívora.



Possuem bicos em forma de gancho para mais fácil rasgar a presa, suas garras são fortes com unhas afiadas para mais fácil segurar e carregar suas vítimas.

Essas aves estão no topo da cadeia alimentar, porém são sensíveis as alterações de seus habitats, muitas estão em extinção, pois dependem da floresta para sua sobrevivência. Desmatamento e poluição são ameaças que dizimam suas populações. Quando estão presentes é sinal de meio ambiente mais equilibrado, exceção aos urubus que estão presentes nas cidades. Os carcarás também são vistos na periferia de centros urbanos, mas no geral são aves da floresta que não se adaptam a centros urbanos e sofrem com o desmatamento. Citamos o gavião-de-penacho, gavião-pomba-grande, falcão-de-peito-laranja e o gavião-real, esta última é a maior ave de rapina do Brasil.
Há também espécies migratórias, que mudam para locais mais quentes em busca de alimentação e para reproduzir, caso do gavião-tesoura, falcão-peregrino, águia-pescadora, gavião-de-asa-longa etc..


No site abaixo você vai conhecer mais sobre as aves de rapina:

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Dia Mundia do Desenhista - Homenagem a Leonardo da Vinci


Dia 15 de Abril
Você sabia que existe o Dia Mundial do Desenhista? Esse dia foi escolhido em homenagem ao maior desenhista de todos os tempos, Leonardo da Vinci, que nasceu no 15 de abril de 1452. Esse dia foi instituído em 2011, através da Associação Internacional das Artes, organização não-governamental de artistas visuais ligada a Unesco.
Papel e lápis na mão são instrumentos vitais para o desenhista exprimir-se através de seus traços. O desenho é uma forma de comunicação. Talento nato ou habilidade adquirida, o certo é que o desenhista precisa estudar e praticar muito, entender a perspectiva, ângulo, profundidade, luz e sombra.
No Brasil temos muitos destaques no desenho e artes gráficas, lembrando os que marcaram época: Maurício de Souza, Ziraldo, os irmãos Caruso e tantos outros.
Quem foi Da Vinci?
Leonardo da Vinci usou o desenho como forma de expressão na arte, mas também para explicar suas descobertas e invenções.
Leonardo da Vinci foi desenhista, pintor, escultor, arquiteto, astrônomo, engenheiro etc.. Nasceu em 15 de abril de 1452 em Vinci, Itália, por isso seu nome, em referência a sua cidade natal.
Devido a sua habilidade artística ingressou na oficina de Andrea del Verrocchio como aprendiz, aos 14 anos. Ali teve uma base sólida nas técnicas de pintura, escultura e fundição. Logo revelou seus talentos, sendo aceito na Corporação dos Pintores de Florença aos 20 anos. Viveu nas cidades de Milão, Veneza e Roma. Artista curioso, estudou o corpo humano através da dissecação de cadáveres, estudou a natureza e fez muitos projetos que não saíram do papel. Era canhoto e treinou a escrita da direita para a esquerda. Criou projetos sobre aviação, arquitetura e engenharia mecânica. Em 1516 foi para a França a convite do rei Francisco I, morreu dois anos depois aos 67 anos em 02 de maio de 1519.

Para conhecer um pouco sobre a Itália Renascentista e o universo de Da Vinci na Milão de Ludovico Sforza, não deixe de ler "Os Cisnes de Leonardo", de Karen Essex, vencedor do Prêmio Roma na categoria estrangeiro.

Se você se interessa pela História da Arte confira o site abaixo:
História da Arte – Curso gratuíto Univesp

Quer aprender a desenhar?
http://www.desenhoonline.com/



terça-feira, 11 de abril de 2017

Dia da Terra - 22 de Abril



As comemorações existem para alertar ao maior número de pessoas sobre o que precisa ser mudado ou incentivado. O Dia da Terra é um alerta planetário, um alerta para cada terráqueo que nela vive. A terra é a nossa nave-mãe, cuidar dela, protegê-la é um dever de cada cidadão. Envolve também cuidar da bagagem e dos passageiros. A bagagem são os recursos naturais e os passageiros todos os animais do planeta, incluindo o animal homem!



 O Dia da Terra é comemorado internacionalmente no dia 22 de abril. Essa data se fortaleceu a partir de 1990, mas surgiu bem antes, nos EUA em 22 de abril de 1970, quando milhões de pessoas participaram de um ato contra a poluição.
Em 1987 foi criado, pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento das Nações Unidas, comissão da ONU, a Carta da Terra com o objetivo de documentar um código de ética planetário. Em 1992 foi internacionalmente conhecida e retomada, na Cúpula da Terra realizada no Rio de Janeiro, porém só foi finalizada no ano 2000, com tradução para 40 idiomas. Hoje 2017 divulgamos a Carta da Terra, esperando que continue a ter força e que não tenha sido um modismo para a época em que foi tão alardeada, que não nos esquecemos dos seus princípios e que conscientes deles possamos nos guiar para um mundo melhor, com cultura de paz, tolerância, sustentabilidade e sociedades democráticas.

Ato todo são 16 princípios agrupados em quatro tópicos:
1- Respeitar e cuidar da comunidade de vida
2- Integridade ecológica
3- Justiça social e econômica
4- Democracia, violência e paz.

Abaixo faremos um resumo dos princípios, mas não deixe de conhecê-la integralmente no link abaixo

1. Respeitar a Terra e a vida em toda sua diversidade.
2- Integridade ecológica
3- Justiça social e econômica
4- Democracia, violência e paz.

Abaixo faremos um resumo dos princípios, mas não deixe de conhecê-la integralmente no link abaixo:

1. Respeitar a Terra e a vida em toda sua diversidade.
2. Cuidar da comunidade da vida com compreensão, compaixão e amor.
3. Construir sociedades democráticas que sejam justas, participativas, sustentáveis e pacíficas.
4. Assegurar a generosidade e a beleza da Terra para as atuais e às futuras gerações.
II. INTEGRIDADE ECOLÓGICA
5. Proteger e restaurar a integridade dos sistemas ecológicos da Terra, com especial atenção à diversidade biológica e aos processos naturais que sustentam a vida.
6. Prevenir o dano ao ambiente como o melhor método de proteção ambiental e, quando o conhecimento for limitado, assumir uma postura de precaução.
7. Adotar padrões de produção, consumo e reprodução que protejam as capacidades regenerativas da Terra, os direitos humanos e o bem-estar comunitário.
8. Avançar o estudo da sustentabilidade ecológica e promover o intercâmbio aberto e aplicação ampla do conhecimento adquirido.
III. JUSTIÇA SOCIAL E ECONÔMICA
9. Erradicar a pobreza como um imperativo ético, social e ambiental.
10. Garantir que as atividades e instituições econômicas em todos os níveis promovam o desenvolvimento humano de forma equitativa e sustentável.
11. Afirmar a igualdade e a equidade dos gêneros como pré-requisitos para o desenvolvimento sustentável e assegurar o acesso universal à educação, assistência de saúde e às oportunidades econômicas.
12. Defender, sem discriminação, os direitos de todas as pessoas a um ambiente natural e social capaz de assegurar a dignidade humana, a saúde corporal e o bem-estar espiritual, com especial atenção aos direitos dos povos indígenas e minorias.
IV. DEMOCRACIA, NÃO-VIOLÊNCIA E PAZ
13. Fortalecer as instituições democráticas em todos os níveis e prover transparência e responsabilização no exercício do governo, participação inclusiva na tomada de decisões e acesso à justiça.
14. Integrar, na educação formal e na aprendizagem ao longo da vida, os conhecimentos, valores e habilidades necessárias para um modo de vida sustentável.
15. Tratar todos os seres vivos com respeito e consideração.
16. Promover uma cultura de tolerância, não-violência e paz.



Crédito das imagens: Recortes de telas sob o tema "Mãe-Terra" Vera Medeiros

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Proibição de celulares na sala de aula

Com a inclusão digital, que busca o uso das tecnologias para a aprendizagem, as escolas estão passando por grandes desafios no que concerne ao uso de celulares, pois estes são proibidos nas salas de aula.

Muitos estados e municípios criaram leis proibitivas. No nosso estado, Rio Grande do Sul, a Lei da proibição de celulares é de nº 12.884, de 03 de janeiro de 2008. Na época da lei o celular era usado para fazer ligações telefônicas, sem o aparato todo que o norteia atualmente, porém de lá pra cá o celular deixou de ser um simples telefone, abarcando o próprio contato com o mundo através das redes sociais, jogos e uma infinidade de aplicativos.

 O desenvolvimento das novas tecnologias não tem volta. Esse é o século da informação. E a educação é o primeiro alvo, pois há necessidade de buscar uma inteligencia coletiva entre estudantes e professores no convívio em ambientes de troca, de colaboração e de compartilhamento com ética e segurança.
 
O número de celulares aumenta de forma crescente no Brasil. Segundos dados da Anatel o Brasil em fevereiro de 2017 possuía 242,9 milhões de celulares, numa densidade de 117,34 cel/100 hab, quer dizer, há mais celulares do que pessoas. Os jovens tem no celular sua própria vida, não apenas o telefone, mas redes sociais, uma gama de aplicativos, busca de informações e contatos virtuais, incorporados à sua rotina.

 O grande desafio é aprender seu uso de forma ética e segura, o  uso pedagógico deve ser incentivado. A UNESCO defende o uso de celular em sala de aula, como um aliado na educação. Em 2013 a Unesco publicou um guia com 10 recomendações para governos implantarem políticas públicas que utilizem celulares como recurso nas salas de aula.Coordenação de Educação 2013 – Diretrizes para Política de Aprendizagem Móvel.  


Documento da UNESCO em PDF:
 http://www.bibl.ita.br/UNESCO-Diretrizes.pdf





sexta-feira, 31 de março de 2017

Dia Internacional das Florestas



Celebramos o Dia Internacional das Florestas desde março de 2013, quando a ONU o estipulou um ano antes. A data da celebração é o dia 21 de março, no hemisfério sul início do outono e no hemisfério norte o início da primavera. Esse dia já tinha sido pensado em 1971, quando a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) sugeriu a criação de um dia para conscientização da importância da preservação das florestas. 
As ações deste dia visam promover o plantio de árvores e o controle dos desmatamentos ilegais, buscando a conscientização da importância de manter os biomas para a própria preservação da vida. As florestas possuem um grande potencial para a redução do efeito estufa e equilíbrio das alterações climáticas, as árvores conseguem evaporar mais águas do que os oceanos. Elas fazem chover. Além disso abrigam a biodiversidade da fauna e da flora, são responsáveis pela manutenção das fontes de água doce do planeta e favorecem a fertilidade dos solos, pois a perda das florestas favorecem a desertificação. 

Pinheiro brasileiro, protegido por lei,  tombado, a Mata Atlântica sofre agressões continuamente

 Há um equilíbrio natural entre as florestas, ventos, chuvas e oceanos e é uma grande ameaça à vida o desequilíbrio dessa relação que é causada pela ação do homem. Os biomas estão sendo atacados com motosserra, fogo, tratores...
Resta pouco da Mata Atlântica, mas isso não é problema para os gananciosos imediatistas
 
A agressão aos olhos: Por que não deixar as araucárias?

 A araucária é protegida por lei, mas grandes empreendimentos conseguem burlar a lei!
As áreas para loteamentos são completamente "limpas", grande insanidade, não vivemos sem árvores!

  Até quando?
As fotos acima são de 30/03/17 em Ana Rech Caxias do Sul-/ RS Brasil

Sem florestas: desertificação

No Hemisfério Sul, latitude do trópico de Capricórnio, há uma faixa de desertos, na Austrália ( Great Sendy, Gibson e Great Victoria.), África (Namíbia e Kalahari), América do Sul (Atacama). As regiões Sul e Sudeste do Brasil estão alinhadas nesta faixa, segundo estudos o solo desta região tem grande necessidade de umidade para não virar deserto. Esse regime de chuvas provém da Floresta Amazônica e da Mata Atlântica, porém se houver diminuição nos índices pluviométricos, causado pela perda do que resta dessas florestas, essas regiões estarão condenadas a desertificação.
Segundo o INPE, a Floresta Amazônica, responsável por trazer a umidade do Oceano Atlântico para dentro do continente, é responsável por evaporar 20 bilhões de toneladas de água diariamente, estudos recentes mostram que Amazônia é muito mais importante do que se imagina.
O sistema político brasileiro não atende a essas demandas, o imediatismo impera prejudicando gravemente o futuro climático. O Código Florestal favorece esse descaso, pois não leva em conta as mudanças climáticas. 
Para saber mais: